Resenha: O Conto da Aia

EM Literatura · 28 maio 2016 · Permalink

O Conto da Aia

“Um livro escrito por uma mulher”, pedia o Desafio Literário. Logo esse primeiro item resultou em um dos melhores livros que já li. Inquietante, perturbador e genial, O Conto da Aia é uma distopia escrita em 1985 pela canadense Margaret Atwood. A história se encaixa perfeitamente nas atuais discussões feministas e nas críticas políticas decorrentes da ameaça conservadora.

“Estranho lembrar como costumávamos pensar, como se tudo estivesse disponível para nós, como se não houvesse quaisquer contingências, quaisquer limites; como se fôssemos livres para moldar e remoldar para sempre os perímetros sempre em expansão de nossas vidas.”

Não é um livro fácil de ler. Demorei capítulos para engatar de vez. A narrativa é pesada, fragmentada e não segue uma estrutura linear. Estamos à mercê do fluxo de lembranças da personagem principal, a aia Offred. Entre nós, podemos iniciar assim: em um dia, todas as mulheres dos Estados Unidos perdem o direito sobre suas contas bancárias e são demitidas de seus trabalhos. Elas passam a responder aos homens mais próximos com os quais têm ligações familiares ou contratuais. Está sendo fundada a república teocrática de Gilead.

A sociedade é dividida em castas. Submissas, as mulheres recebem papeis completamente pré-estabelecidos: esposas, economoesposas, aias, martas, tias. Como a taxa de fecundidade está afetada e as esposas, ponto mais alto da estratificação social feminina, em sua maioria são estéreis, as aias tornam-se responsáveis pela reprodução.

Hospedadas temporariamente nas casas de abastados, recebem cuidados especiais para que engravidem; em rituais opressores. Não possuem qualquer domínio sobre suas vidas – vigiadas, precisam se abster de suas próprias personalidades. São objetos. Objetos de culto, delicados, negados do prazer. Seus nomes são códigos. Suas identidades são criadas por homens.

“Espero. Eu me acalmo e me componho. Aquilo a que chamo de mim mesma é uma coisa que agora tenho que compor, como se compõe um discurso. O que tenho de apresentar é uma coisa feita, não algo.”

Todos esses aspectos só são revelados aos poucos pelos pensamentos de Offred, que viveu a transição governamental. Ela descreve seu cotidiano e das demais pessoas da casa e da região em que se encontra, perpassando a vida de outrora. Offred percebe as falhas do sistema, relembra seus tempos de internato educacional e sofre a saudade do marido e da filha que perdeu ao tentar fugir desse destino.

O Conto da Aia é uma crítica ao patriarcalismo, uma crítica tão atual que chega a ser assustadora. A submissão completa é proposta como a salvação para os problemas que enfrentamos hoje. Em Gilead, anulam abertamente as mulheres argumentando que estão protegendo-as. Calam suas vozes para que não destoem do discurso que sustenta o sistema. É a distopia mais uma vez indo além da realidade para nos dar a chance de percebermos o que se tornou costumeiro.

Havia lugares por onde não se queria andar, precauções que se tomava, que tinham a ver com trancas em janelas e portas, fechar as cortinas, deixar luzes acesas. Essas coisas que fazia eram como orações; você as fazia e esperava que elas a salvassem. E na maioria das vezes salvavam. Ou alguma coisa salvava; você sabia pelo fato de ainda estar viva.

“Ele tem alguma coisa que não temos, tem a palavra. Como a desperdiçamos, um dia.”

Não mais.

1 Comentário

  1. O mais assustador desse livro é que a Atwood disse que não colocou nada nele que já não existisse no mundo real. Por isso ele nos é tão familiar. A gente vive todas aquelas opressões.

    Ótima resenha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *